domingo, março 30, 2008

Repeteco

O que eu escrevi no dia 4 de agosto de 2005 sobre "ficar doente" continua valendo. Que saco!

Domingo

Uma das coisas curiosas de se morar sozinho é que a gente dá um telefonema num domingo às 4 da tarde, nota que a voz está rouca e então percebe que está dizendo as primeiras palavras do dia. Estava rouco desde cedo e não sabia.

-*-
Ontem bati o ponto na Saraiva e fiquei surpreso de constatar como saíram DVDs do Yes. Nada contra, adoro o Yes. Mas DVD de música geralmente é ao vivo. Será mesmo que o Yes precisa lançar um DVD a cada novo show, geralmente com o mesmo repertório básico? Pior é que eu quero comprar todos.
-*-
Hoje tem a festa de 30 anos do filme "Grease", aqui em Porto Alegre. Eu era um dos felizardos "convidados fechados" e fui obrigado a abrir mão de minha vaga. Desculpe, Marco, que me indicou, mas minha saúde ainda não está 100% e com isso atrasei uma tarefa para amanhã. Paciência.
"Grease" (ou "Nos Tempos da Brilhantina", nome em português que acabou não pegando) atraiu comparações inevitáveis com "Embalos de Sábado à Noite" em 1978 pela presença de John Travolta. Mas era outro departamento. Em geral, a crítica aprovou "Embalos...", mas o público, ao menos em Porto Alegre, se decepcionou um pouco. Embora ninguém quisesse perder o filme (as filas davam voltas na quadra, nos cinemas), a temática adulta e o final doce-amargo não entusiasmaram as jovens platéias. Já com "Grease" foi o contrário: enquanto os críticos desdenharam, os jovens se identificaram totalmente com a história do garotão que tem vergonha de assumir seu amor de verão diante da turma do colégio. E, de quebra, um final feliz ao som da irresistível "You're The Want That I Want". O filme lançou Olivia Newton-John nos países em que ela ainda não era conhecida, entre eles o Brasil. E a transformação de seu personagem na história de certa forma se refletiu na sua carreira: ela passou de recatada intérprete de country music a cantora pop com um visual mais atrevido. Como sempre ocorre nesses casos, os fãs mais antigos (quase todos nos Estados Unidos, Inglaterra e Austrália) não aprovaram a mudança.
-*-
Bom final de domingo a todos.

quinta-feira, março 27, 2008

O faro do cinegrafista

Neste depoimento exibido em 1988 no especial "RBS Memória", o cinegrafista Odilon Lopes conta como o seu faro jornalístico lhe possibilitou registrar imagens exclusivas da saída do Presidente João Goulart (Jango) para o exterior no dia 31 de março de 1964. Aparecem também trechos do filme histórico.

Decidi acrescentar um toque pessoal ao vídeo que subi para o YouTube. A filha de Odilon Lopes se formou comigo no dia 9 de janeiro de 1993, de forma que ele estava na mesa, recebendo os cumprimentos dos formandos. Infelizmente ele mal aparece, mas o áudio da câmera captou quando eu falei: "Esse é o homem que filmou o Jango fugindo!" E ele respondeu: "É verdade!" Isso eu editei no final do vídeo, depois da imagem do avião que levou Jango ao exterior.



P.S.: Este vídeo está sendo mostrado em outros blogs. Aí, claro, fica difícil entender aquele trecho final fora de contexto. No Blog do Língua, um tal de Zeca escreveu: "Não entendi o lance final da formatura do narigudo na PUC em 1993." Pois está tudo explicado aqui, no blog do narigudo.

segunda-feira, março 24, 2008

Gol polêmico

Um comentário atrasado: esse gol de Leandro Guerreiro pelo São Paulo de Rio Grande contra o 14 de Julho de Livramento, em que roubou a bola que o goleiro preparava para recolocar em jogo, não foi o mesmo caso de um gol feito por Jones, do Internacional, lá por 79 ou 80?

Voltando aos bons tempos

Deve fazer mais de 20 anos que meu amigo Luiz Bonow, que hoje tem o seu Bonowblog, me deu a notícia de que ele e um amigo comum voltariam a ter rádio amador PX (Faixa do Cidadão). Fiquei tão feliz que falei: "Oba! Então vai voltar a ser como antes!" Eu estava me referindo ao tempo em que nos falávamos praticamente todos os dias pelo rádio. Foi uma época divertida. Aliás, foi lá que eu, ele e tantos outros nos conhecemos. Amizades que duram até hoje e tiveram início no radioamadorismo. Mas ele, realista, respondeu: "Não, como antes nunca mais vai ser." E não foi, mesmo.

Ainda assim, eu tento preservar essa noção de que é possível trazer de volta algo de bom que, por algum motivo, acabou. Nem sempre dá certo, mas não custa ter esperanças. Por exemplo: você era acostumado a passar as férias sempre na mesma praia. E era ótimo. Depois, por alguma razão, você passa a veranear em outro balneário. E aí já não é a mesma coisa. Talvez até a culpa nem seja do local, mas não importa: para você, fica a impressão de que os bons momentos ficaram na outra praia. Um dia você consegue retornar à praia de sua juventude e fica entusiasmado. Os bons tempos vão voltar! Voltam? Depende. Talvez as boas lembranças em si sejam suficientes para fazer retornar o o antigo astral. Mas cada caso é um caso.

Você morava em determinado bairro e era feliz. Depois que mudou, já não se sentiu tão bem. Então o seu sonho é voltar à antiga vizinhança, acreditando que ali está o seu bem-estar. Ou então é uma cidade que significa para você a volta do bom passado. Ou quem sabe um horário de trabalho em que você conseguia administrar melhor seus compromissos. Se voltar a fazer aquele turno, vai ser tão bom quanto nos velhos tempos.

Às vezes dá certo, às vezes não. Mas é comum encontrarmos pessoas planejando voltar para alguma situação antiga que lhes era benéfica. Eu prefiro achar que é possível, sim, buscar alguma coisa boa do passado que se perdeu. Algumas não voltam mais, outras só dependem de nós.

domingo, março 23, 2008

Veranópolis

O Internacional está jogando em Veranópolis. Já estive lá três vezes, mas sempre viagens curtas, de ida e volta no mesmo dia. A primeira vez foi em 1975, com meu irmão mais velho, na época morando em Caxias do Sul. A segunda, em 1976, para a Femaçã, acompanhando uma excursão do colégio como convidado, já que a turma era anterior à minha. Mas foi na última vez, em 1993 ou 1994, não lembro ao certo, que percebi como a viagem é bonita. Estive lá para instalar um sistema de cobrança em uma empresa. Minha visão de adulto foi bem diferente. A Ponte sobre o Rio das Antas é belíssima e a cidade transmite uma paz incrível. Meu filho já esteve lá, num passeio da escolinha. E eu ainda quero voltar lá. Mas com calma, para relaxar e apreciar a paisagem. De preferência bem acompanhado.

(Veja fotos de Veranópolis aqui.)

sábado, março 22, 2008

Jogo atrasado

Não me recordo se eu ainda tinha meu primeiro computador ou já estava no segundo quando comprei um joguinho de "Pinball" (fliperama) em CD-ROM e tive problemas na instalação. Acho até que foi esse CD que desconfigurou completamente a imagem de tal forma que eu tinha que ligar e esperar uma mensagem de erro para pedir que o sistema reinicializasse. Se foi isso mesmo, então foi o primeiro computador. Só sei que agora, finalmente, consegui instalá-lo. Chama-se "Pinball 3-D", de uma tal "Data Becker". As instruções são todas em espanhol. Achei o desenho das mesas meio sem graça. Há um enorme espaço vazio entre os flippers e os bumpers, de forma que a bolinha fica quase o tempo todo na parte de baixo, sendo rebatida inutilmente até cair. As quatro mesas são assim. Adoro "pinball", mas essas mesas aí me decepcionaram. Um dia gostaria de saber mais sobre o projeto de mesas de pinball, se é feito um estudo minucioso das possíveis trajetórias da bolinha e as chances de ela cair dependendo de onde vier. Fliperama já foi um dos meus maiores vícios. Nem lembro como me curei.

A propósito: FELIZ PÁSCOA aos visitantes do blog!

Fogaça em 1976

(Clique para ampliar)

Em outubro de 1976 o saudoso Coojornal fez uma matéria sobre notáveis de Porto Alegre que foram convidados a se candidatar a Vereador nas eleições daquele ano e não aceitaram. Entre eles estava o hoje Prefeito de Porto Alegre, José Alberto Fogaça de Medeiros. Fogaça ainda não havia feito sua estréia na política. Era conhecido dos telespectadores do "Portovisão", programa que ia ao ar na TV Difusora, Canal 10, ao meio-dia, rivalizando como o Jornal do Almoço da TV Gaúcha. O Portovisão era espaço comprado pelo IPV, ou Instituto Pré-Vestibular, onde Fogaça lecionava Português. Quem não sabe a história toda pode achar que Fogaça entrou em contradição ao ingressar na política dois anos depois. Afinal, ele afirma que recusou pois "estaria enganando o seu público", que o ouvia como jornalista e não como candidato. Acontece que, no ano seguinte, Fogaça teve problemas com a censura e foi afastado da TV. Uma vez que o silenciaram como jornalista, era normal que aceitasse a alternativa de participar como político, até para tentar mudar aquela realidade que o amordaçara. Em 1978 ele se candidatou a Deputado Estadual e foi o mais votado no Rio Grande do Sul. E assim teve início sua nova carreira, que dura até hoje.

quinta-feira, março 20, 2008

Compras recentes

Ontem resolvi dormir cedo. Às 9 e meia da noite, já estava roncando. Nico Nicolaiéwky que me desculpe, queria muito ter ido ao show dele, mas o sono foi maior.

Estou lendo a biografia de Michael Jackson, de J. Randy Taraborrelli. Encomendei o original em inglês, como sempre faço. Sou fã de Michael desde a infância (minha e dele), quando ele estourou com "Ben", "Music and Me" (essa acho que fez mais sucesso no Brasil do que nos Estados Unidos, por causa da novela "Carinhoso") e "One Day In Your Life". Por falar nele, a edição de 25 anos do álbum "Thriller" é muito bonita, com aquela capa holográfica, mas de novidade, mesmo, só traz uma faixa inédita, "For All Time". Os remixes são interessantes, mas dispensáveis. Os clips do DVD bônus já tinham sido lançados. Para quem é colecionador, a "Special Edition" que havia saído anteriormente continua obrigatória, pois ela tem "Someone in The Dark", "Carousel", a demo de "Billie Jean" e a narração completa de Vincent Price para "Thriller", incluindo uma estrofe inteira que foi cortada. A nova edição inclui apenas Price apresentando a música e dizendo a frase "can you dig it?", que também não entrou na gravação final mas apareceu na letra do encarte, deixando a todos confusos, na época.

Aliás, agora é moda lançar novas edições especias com menos material do que as anteriores. A caixa "Duro de Matar - a Quadrilogia" contém os quatro filmes, mas não o DVD bônus "Yppee Ki Yay" que havia saído na caixa "Duro de Matar - Coleção" (Die Hard Collection), com os três primeiros filmes. Como não dispenso o material suplementar, preferi comprar a caixa anterior e o DVD do último filme separadamente. A nova edição em DVD do filme "Embalos de Sábado à Noite" também decepcionou nos extras. Quando sou muito fã de um filme, compro várias edições em DVD sem o menor peso na consciência, por causa dos bônus diferentes, mas nesse caso, a primeira edição me bastou.

Uma loja de Porto Alegre colocou vários CDs bons em oferta e eu aproveitei para me atualizar em Phil Collins. Lembro que comprei os dois primeiros LPs dele numa tacada só e até gostei, mas depois não continuei a coleção. Embora os fãs de rock progressivo não perdoem o ex-baterista do Genesis por ter, digamos, "traído a causa", a verdade é que Phil Collins é um vencedor. Quando Peter Gabriel saiu do Genesis em 1975, muitos duvidavam que Phil pudesse assumir os vocais. Pois ele não só encarou o desafio com sucesso, como ainda inventou uma carreira solo nos anos 80. Tem gente que adora Phil Collins e nunca ouviu falar no Genesis. Nélson Motta contou em entrevista à Playboy que, quando sua casa foi assaltada, o ladrão perguntou se não tinha nada de Phil Collins nos CDs. Mas o cara é muito bom. Pelo menos dois dos CDs que eu ainda não conhecia me surpreenderam.

E aí, já compraram os ovinhos de Páscoa? Já faz alguns anos que eu coloco em prática algo que antes só prometia a mim mesmo, que é fazer as compras de Páscoa com antecedência. Vale a pena.

Uma dica para quem está aprendendo inglês: é possível que o seu professor tenha recomendado a compra de pelo menos um dicionário monolíngüe, ou seja, "inglês-inglês". De todos os disponíveis em CD-ROM, o melhor é o American Heritage, Fourth Edition. Virei fã desse dicionário desde que o usei pela primeira vez como parte do software Microsoft Bookshelf, que há muitos anos não é mais editado. Mas hoje o dicionário vem em CD de marca própria. Já usei vários outros e, embora sejam todos bons, cada um à sua maneira, o mais completo é o American Heritage. Ele pode ser integralmente instalado no HD e sua interface de pesquisa é enxuta e ágil. O problema é o que fazer com o enorme volume de duas mil páginas que vem junto. Ele é lindo, vistoso, fartamente ilustrado, mas depois de instalar o CD-ROM você provavelmente vai usar o dicionário impresso para enfeitar a prateleira.

Esses foram os presentes que "me dei" de Páscoa. Boa quinta-feira a todos!

segunda-feira, março 17, 2008

Faixa errada

Interessante essa caixinha de três CDs intitulada "História da Odeon". Por ser o volume 2, presumo que exista um volume 1 e talvez outros posteriores. Essas miscelâneas muitas vezes trazem faixas raras de compactos de artistas que fizeram sucesso com uma ou duas músicas (o que se chama em inglês de "one-hit wonder") e dificilmente terão seus álbuns originais relançados na íntegra. É o caso da linda "Menina da Ladeira", de João Só, grande sucesso de 1971. As demais faixas já não se enquadram nessa categoria, pois a maioria de seus intérpretes teve diversos outros sucessos e CDs relançados. Só não consigo aceitar que, em pleno Século XXI, as gravadoras brasileiras ainda limitem as coletâneas a 14 faixas por CD. Sei que há razões comerciais para isso (legalmente elas não podem cobrar direitos autorais por mais músicas por disco, algo assim), mas já deveriam ter sido sanadas. Isso é verdadeiramente um atraso. No exterior saem coletâneas de quase 30 faixas por CD e aqui ficamos nessa pobreza. As 42 faixas dessa caixa caberiam com folga em apenas dois CDs. Acho graça quando ouço falar em protótipos de novas mídias comportando horas de música. De que adianta, se não aproveitam nem o que já existe hoje?
Mas a grande surpresa dessa compilação está no fato de que uma faixa foi incluída por engano. O segundo CD lista "O Sal da Terra", de Beto Guedes, como a faixa 12, mas a que se ouve é "Amor de Índio". Esse erro aparece inclusive nos sites em que o CD está disponível para audição - cliquem aqui e confirmem. Não é o primeiro caso. A caixa de quatro CDs do MPB-4 da série Grandes Nomes, lançada nos anos 90, listou "Vira Virou", de Kleiton Ramil, mas a música que acabou entrando foi "Viração", de Kledir e Fogaça. O título começava com "Vira..." e tinha um Ramil como autor, mas não era a composição certa. Outro caso de gato por lebre foi quando saiu um CD supostamente contendo a versão mais rara de "Je T'Aime... Moi Non Plus" com a participação de Brigitte Bardot, mas era apenas a gravação comum com Jane Birkin.

sábado, março 15, 2008

Confiança

Quando menos espero, entro numa comunidade do Orkut e vejo meu nome na lista de mediadores ("moderators"). Sinal de que eu inspiro confiança. Aceito com muita honra, mas podiam me avisar, né?

Júlio Reny nos velhos tempos

Dei uma vasculhada no YouTube antes de postar este vídeo, mas acho que não tinha - agora tem. Este é o clip original de "Amor e Morte", de Júlio Reny, apresentado por Cunha Jr. num longínquo Jornal do Almoço, acho que em 1986. A música incidental é "Eu Vou Tirar Você Desse Lugar", de Odair José. Participação de Jimi Joe, entre outros.

P.S.: Este vídeo está dando ibope. Valeu a pena divulgá-lo. E também me impressiona a qualidade das imagens que gravei entre 85 e 86. O mérito é da antena externa da casa de minha mãe. Mesmo depois que eu casei, se houvesse algum programa que eu fizesse questão de registrar com a melhor qualidade possível, pedia para minha mãe gravar para mim. Foi o caso do RBS Memória, em 1988.

quinta-feira, março 13, 2008

Googladas incautas de fevereiro (finalmente!)

Já estamos quase na metade do mês e eu ainda estou devendo para vocês as "googladas incautas" de fevereiro. Depois de muitos contratempos, aí se incluindo quase dez dias sem Internet, vamos a elas, pois. Pelo Site Meter eu fico sabendo o que os internautas digitaram no Google (e outras ferramentas de busca) que os fizeram chegar aqui. Como muitos não sabem fazer pesquisas, escrevem perguntas em linguagem corrente, como se o Google fosse um oráculo ou espelho mágico e pudesse atendê-los. Eu anoto as mais incríveis e as publico mensalmente aqui. Por exemplo:

gostaria de rever uma cena com lidia brondi na novela roque santeiro

"Gostaria"? Quanta educação para fazer um pedido ao Google!

Como collor foi escolhido

Ora, pelo voto do povo! Agora, como ele conseguiu ser escolhido é uma longa história.

como envio um email pra pedir minha comunidade roubada de volta

Comece assim: "Prezado Sr. Ladrão..."

como eu faço para saber a senha que esta gravado de uma outra pessoa que usou o meu computador e gravou a senha computador

Explica aí, Sr. Google.

como fazer para que somente eu possa ver minhas fotos no orkut

Quem sabe você examina com calma as opções do Orkut?

como fazer pra encher a minha comunidade no orkut

Deixa ver se eu adivinho: você criou uma comunidade sobre um assunto para o qual já havia várias outras no Orkut. Agora você não entende como existem comunidades idênticas com milhares de membros e a sua tem menos de vinte. Realmente, isso é um problema. Não, não me refiro ao fato de sua comunidade estar vazia. Quero dizer a falta de noção de certas pessoas que criam comunidades redundantes. E depois ainda vão nas "concorrentes" para dizer: "Entrem na minha, também!"

como seguiu a novela de corpo e alma sem yasmim

O Google não era nem nascido quando a novela foi ao ar, como ele vai saber?

fiz uma montagem no power point agora com faço pra colar no orkut
foto de pessoa emocionada
frases de outores famosos sobre a educação
GLOGE que você procura a palavra e o computador manda você achar


Não entendi.

lindas mensagens que posso colocar no " quem sou eu:" do orkut
mensagens bonitas com significado importante para perfil de orkut
mensagens de otimismo de luiz fernando verríssimo


Se achar, não é dele.


reprovados no vestibular

Ora, pois pois! Normalmente publica-se a lista dos aprovados. Você quer encontrar uma lista de quem não passou? Uma lista enorme, diga-se de passagem? E se o seu nome não estiver ali, você vai presumir que está aprovado? Cada um...


muscas ingles bem bonitas
musicas legais pra coloca nas legendas das fotos do meu orkut
O MEU ORKUT NAO ENTRA POR COMPLETO E ACUSA ERRO DE PAGINA
se estou com a pagina do orkut aberta e vou abri outra o email do orkut e substituido

Que coisa!


QUERO SABER COMO ESCANEAR UMA FOTO
o'que significa ser deficiente para o poeta mario quintana


Não sei, mas aquele texto que você procura não é dele, é da professora Renata Vilella.

preciso mantar uma lembrança de aniversári com foto do meu filho de dois anos quero fazer em casa

E o Google com isso?

procurar fotos de mulheres jornalistas

Vamos lá, Google! Procure! Jornalistas, hein? Olhe a carteira de trabalho de cada uma!

Vamos à turma do quero-quero, que são os que fazem questão de dizer para o Google que "querem" achar tal coisa.

quero colocar aqueles desenhos no perfil do orkut


Ah, sim, "aqueles". Disse tudo.

quero depoimentos mais nao quero escreve

Óbvio, né? Se está procurando, é porque não quer escrever. Sua informação foi de valia inestimável para a pesquisa.

quero escrever numa imagem bonita e colocar no orkut
quero fazer montagens de fotos com paisagens
Quero fazer uma foto bonita pra botar no orkut
Quero fotos para colocar no orkut escrito um poema
QUERO MONTAR MINHAS FOTOS COM DESENHOS ANIMADOS
quero ouvir musicas americanas em portugues
quero ouvir selva de pedra 1972
quero uma musica em portugues que fale informatica em igles


como faço para fazer um vídeo com minhas fotos e do meu namorado com um fundo musical

E quer que o Google ensine?

Deixei para o final as duas que achei mais divertidas. Uma delas foi esta:

videos de mulheres trasando sem parar

Sem parar? E elas agüentam? Um arquivo desses não vai ficar grande demais?

Esta também eu achei uma pérola:


sinca jabor

Essa não! Já não bastam os textos românticos e escrachados que atribuem ao Arnaldo Jabor, agora já tem gente achando que Simca Chambord se chamava "Jabor"? Tinha o Simca Verissimo e Simca Quintana, também?

Um bom resto de mês a todos!

Paciência

Obrigado a vocês pela paciência com o marasmo deste blog. Ontem à noite fui dormir 15 pras 9 e acordei hoje às 8 da manhã. Estava precisando desse sono reparador.

domingo, março 09, 2008

Habemus Internetum

Ufa! Com atraso de um dia em relação ao combinado (mas pelo menos avisaram), está instalada minha Internet a cabo! Tomara que dê tudo certo desta vez. Apenas me dêem um tempo para retomar o blog aos poucos, pois estou bem atarefado.

Mas quero fazer um comentário rápido. Agora há pouco eu e minha irmã vínhamos de táxi pela Avenida Ganzo, em Porto Alegre. No cruzamento com a Múcio Teixeira, o sinal estava aberto, mas vários ciclistas estavam prestes a cortar a frente do táxi na perpendicular. Percebendo isso, o motorista parou e esperou que passassem. Quando ia arrancar, notou que o sinal havia fechado e parou. Um casal que vinha do supermercado e não assistira à cena toda se encheu de razão e comeceu a ofender o pobre motorista por "tentar furar o sinal". Ora, ele teve o cuidado de não atropelar os ciclistas, que eram os que estavam errados, e ainda foi humilhado por dois passantes. Eu não resisti e gritei de volta, argumentando que ele tinha parado para as bicicletas, mas acho que eles não entenderam. Nada me dá mais nos nervos do que gente burra se enchendo de razão para dizer besteira. Se envolve injustiça, então, fico mais possesso ainda.

Mas tudo bem. Bom domingo a todos. O blog está de volta à ativa.

terça-feira, março 04, 2008

Aguardem

Em razão das confusões que me deixaram sem Internet em casa, a publicação das "googladas incautas de fevereiro" atrasou. Mas sai. Aguardem.

segunda-feira, março 03, 2008

Deu a lógica (infelizmente)

Sábado à noite, quando escrevi que minha última esperança para restaurar a conexão da Internet era a visita da Brasil Telecom no dia seguinte, quase acrescentei: "se vier alguém". Mas resolvi não fazer para não parecer mais impertinente do que já sou. No mínimo, eu tinha que dar uma chance ao sistema de provar que eu estou errado e que ele funciona. Infelizmente, cada vez mais minhas teorias pessimistas se confirmam. Não existe senso de compromisso no Brasil. Não só não veio ninguém no prazo marcado, que era até 12:15 de domingo, como marquei uma visita pela segunda vez e não tive resposta. A moça ao telefone disse que em no máximo duas horas eu receberia um telefonema. Ninguém ligou. Resolvi sair com meu filho, pois já tinha desperdiçado demais o meu fim-de-semana com "plantões" inúteis. Na volta, nenhuma ligação na secretária eletrônica. De qualquer forma eu tinha informado meu celular e também por ali ninguém fez contato.

Hoje pela manhã, liguei para cancelar meu contrato com o Turbo da Brasil Telecom. A moça, é claro, implorou de todas as formas para que eu voltasse atrás. Uma amiga minha já trabalhou em help-desk de um concorrente e me contou que um dos indicativos de desempenho é a quantidade de reversões, ou seja, de clientes que pretendiam cancelar o contrato e são convencidos a não fazê-lo. No meu caso, a Brasil Telecom deu azar. Não tolero compromisso não cumprido. Certa vez cancelei a compra de um produto que eu queria muito porque o vendedor não o entregou no prazo prometido, que era a véspera de um feriado em que eu pretendia desfrutar minha aquisição com calma. E não era algo fácil de achar, que eu pudesse simplesmente ir em outra loja e comprar igual. A moça da Brasil Telecom ainda tentou argumentar que o atendimento estava no prazo, mas eu respondi que era minha segunda solicitação e o telefonema que viria em "no máximo duas horas" não chegou.

Se tudo der certo, minha Internet a cabo deve ser instalada no sábado. Até lá, dependerei de lan house, cybercafé, e minha sempre solícita irmã, que já me ofereceu o computador caso eu precise acessar a Internet.

Leiam também "Compromisso", que escrevi em 1º de outubro de 2004, e vejam que há tempos eu já me revolto com situações como essa.

sábado, março 01, 2008

Deu xabu

Diretamente do cybercafé da livraria Saraiva, informo que estou sem Internet até segunda ordem. Quando cheguei em casa sexta à noite e vi que a luz "DATA" do modem estava apagada, em uma fração de segundo antevi toda a incomodação que teria pela frente. Até agora, não deu outra. E justo num fim-de-semana em que estou com meu filho e fica mais complicado providenciar as coisas.

Os suportes por telefone deram informações desencontradas. O técnico que chamei em minha casa hoje pela manhã fez diversos testes, mexeu aqui e ali para ver o que acontecia, sempre com aquela cara de quem diz "engraçado" (mas a gente nunca acha graça), e sentenciou: "Só pode ser o modem!" Como eu tinha pressa para resolver o problema, pensei, azar, vou comprar outro modem. Pois acreditam que nem assim adiantou? Menos mal que o técnico teve a decência de não cobrar a visita. Agora tem o problema de ver se a loja vai aceitar a devolução do modem ou troca por outra mercadoria.

Minha última esperança é a visita da Brasil Telecom, marcada para amanhã. É desesperador ter problema de primeiro mundo em país de terceiro. Se não resolver, vou ter que trocar por Internet a cabo. Não adianta exigir solução de quem não a tem, mesmo que devesse ter.