quinta-feira, outubro 18, 2018

Canto Livre surpreendendo

Compareci ontem ao pub Sgt. Pepper's, em Porto Alegre, para ver uma de minhas bandas gaúchas preferidas: o Canto Livre. Imaginei que eles iriam repetir o repertório da apresentação de 5 de junho no Foyer do Teatro São Pedro (vejam aqui), mas eles incluíram algumas surpresas. Uma delas foi a bonita "Primeira Canção da Estrada", de Sá, Rodrix e Guarabyra. A outra foi como um presente para mim: "Voando Alto", clássico do saudoso Inconsciente Coletivo, do qual o integrante Calique chegou a fazer parte. Antes de o Canto Livre cantá-la, Calique citou meu nome, lembrou de quando assisti a um ensaio do Inconsciente aos 15 anos, pouco depois da entrada dele na formação (como contei aqui), e recomendou meu Blog. Muito obrigado! O vocal solo foi do novo membro Flávio Englert e, por detalhes da melodia, percebi que a interpretação não se baseou no compacto lançado em 1976, o que me foi confirmado depois por Calique. Ficou lindo!
O show deve participação especial do Guri de Uruguaiana, que fez um rápido monólogo de humor e cantou as já clássicas adaptações da letra do "Canto Alegretense" com diversas melodias conhecidas, como "Blowing in the Wind" de Bob Dylan e "Sozinho" de Peninha (imitando a versão de Caetano). Depois o grupo voltou ao palco e Calique explicou ao público que Jair Kobe (a "identidade secreta" do Guri) havia sido fundador do Canto Livre. E assim, com o ex-integrante temporariamente de volta, eles cantaram o Hino Riograndense e depois "Baile de Candeeiro", que chegou a ser o tema do Galpão Crioulo nos anos 80.

Na foto acima, da esquerda para a direita: Pedro Guisso, Maria do Carmo Dischinger, Jairo Kobe, Selma Martins, Carmen Nogueira, Jair Kobe, Vânia Mallmann, Flávio Englert (atrás) e Calique Ludwig. Obrigado pelo espetáculo maravilhoso com direito a uma menção pessoal. Senti-me presenteado. Vai ter de novo no dia 31. Não percam!

Aqui, Jair Kobe sem o disfarce de Guri de Uruguaiana.

sábado, outubro 13, 2018

Tempo dos vídeos

Sugestão para quem posta vídeos de conteúdo político no Facebook: o tempo ideal é um minuto. Se precisar se estender um pouco mais, então dois. Se achar realmente necessário, vá no máximo até três minutos. Mais do que isso, ninguém tem paciência para assistir. Principalmente se for alguém a quem você pretenda convencer a mudar o voto.

sexta-feira, outubro 12, 2018

Dia da Criança

Seguindo a tradição internética, no Dia da Criança, publico aqui uma foto da minha infância. Com um ano de idade eu já era um "interessante menino". A nota acima é do saudoso Jornal do Dia, de Porto Alegre, para o qual minha mãe colaborava. Até a Dona Irene, quem diria, grande dentista, atacou de jornalista por algum tempo. Meu pai trabalhou no Diário de Notícias nos anos 40, então como eu não poderia buscar esse caminho em algum momento? A propósito, Emílio era meu avô materno (Otto Emílio Dreyer), por isso eu já nasci "Emilinho". 

quinta-feira, outubro 11, 2018

Música versus política

A polêmica é antiga nas redes sociais. Acredito que tenha sido em 2014 que eu li pela primeira vez uma crítica debochada de um amigo a pessoas de direita que curtem Pink Floyd, David Bowie, U2, John Lennon e outros. São artistas, se não assumidamente de esquerda, ao menos identificados com esse alinhamento político. E a turma da direita que é fã desses músicos seria gente desinformada, que não entende a mensagem que eles passam. Se entendessem, não seriam fãs. 

Mesmo sabendo que poderia, talvez, estar "dando munição para o inimigo", educadamente discordei. Uma coisa não tem necessariamente a ver com a outra. Eu próprio, na adolescência, era um alienado convicto, como já disse várias vezes. No tempo do bipartidarismo, eu me considerava Arenista, ou seja, de direita. Ainda que não tivesse idade para votar. Mas adorava Pink Floyd, David Bowie e John Lennon. No fundo, eu nutria uma admiração secreta por alguns notáveis da esquerda, pela coragem de contestar. Mas era de direita.

Na entrada dos anos 70, muitos ficaram na expectativa para ver qual artista da música sucederia aos Beatles na dominação total da década. Não houve unanimidade. Mas eu diria que, no Brasil, o Pink Floyd, apesar de ser um grupo de rock progressivo, se popularizou bastante. Quase todos os apreciadores de música tinham o Dark Side of The Moon, lançado em 1973. Em 1979, a banda conseguiu a façanha de ter um sucesso radiofônico, "Another Brick in the Wall", e jogar sua rede sobre uma nova geração de fãs. Algum deles se preocupou e saber das mensagens políticas do álbum The Wall? Nem todos. 

Talvez a razão possa ter sido a barreira do idioma, dirão alguns. Mas não foi bem isso. Os fãs do Pink Floyd apreciam em primeiro lugar a melodia, os arranjos, a primorosa execução dos instrumentos. O belo jogo das vozes de David Gilmour, Roger Waters e o saudoso Rick Wright. E isso vale para a fruição do universo da música em geral. Não vai muito longe: conheço fãs de Chico Buarque que são de direita. Principalmente mulheres ("aqueles olhos...").

Vejam bem, não estou afirmando que ninguém preste atenção nas letras ou se importe com a mensagem das músicas. Apenas acho que não se pode presumir que a direita não vá apreciar artistas de esquerda. E vice-versa, por que não? Eu próprio me decepcionei bastante com o posicionamento assumido por vários ídolos meus na música brasileira, mas não deixei de gostar do trabalho deles. 

Certo. Mas no momento em que alguém vai a um show de Roger Waters, o mais politizado dos ex-integrantes do Pink Floyd, no mínimo, já deveria saber o que poderia vir. Terça à noite, no Allianz Parque, em São Paulo, teve "Ele Não" e a citação de Bolsonaro numa lista de fascistas do mundo todo no telão. No dia seguinte, ficou de fora o "Ele Não", mas a relação dos fascistas deu um destaque especial ao nome do candidato a Presidente com uma tarja de "censurado" piscando e, por fim, desaparecendo. Não sei se alguém da produção pediu a ele que não fizesse mais, mas se aconteceu, Roger deu um recado muito claro: não gostei da censura.   

Ouvintes de todas as vertentes políticas cultuam a memória do Pink Floyd e acompanham as carreiras solo de seus dois principais ex-membros, Roger Waters e David Gilmour. Não é preciso ser de esquerda ou concordar com as letras para isso. Mas a história de Waters é bem conhecida e já era previsível que ele fosse se manifestar neste momento crítico da política brasileira, estando entre nós em plena época de eleição. Quem se surpreendeu com isso, estes, sim, mostraram desinformação. 

terça-feira, outubro 09, 2018

Verissimo resgatando uma antiga crônica.

Em 2013, Luis Fernando Verissimo publicou uma excelente crônica intitulada "Alternativa". Pois recentemente ele escreveu outra, chamada "Respire fundo", que é praticamente uma edição revista e atualizada da anterior. Clique nos links para lê-las e compará-las.

segunda-feira, outubro 08, 2018

Texto sobre os Shakers no AmaJazz

Nesse fim de semana o Canal Brasil exibiu um documentário sobre o músico uruguaio Hugo Fattoruso. O jornalista Márcio Pinheiro escreveu um comentário sobre o programa para o site AmaJazz (leiam aqui) e me convidou para contribuir com uma matéria sobre os Shakers, a banda que Hugo criou com seu irmão Osvaldo nos anos 60 (leiam aqui). É uma honra estrear num site onde se encontram críticos e colaboradores de altíssimo quilate.

sábado, outubro 06, 2018

Vamos votar


O jornalista carioca Ricardo Schott, que mantém o excelente site Pop Fantasma, deixou este recado no Facebook. Gostei tanto do que li que fiz questão de trazer para cá. Assino em baixo.

Tenho encontrado mensagens de amigos diversos, todas com um tom em comum: decepção com pessoas queridas. Gente que considerávamos "do bem" declarando seu apoio a um candidato de valores retrógrados, mesquinhos, preconceituosos e inescrupulosos. "Está na vida mundana e depois quer cobrar do poder público um tratamento [de AIDS] que é caro." "Gostar de homossexual, ninguém gosta, a gente suporta." "O grande erro [do regime militar] foi torturar e não matar." Tudo isso está registrado em vídeo, é só procurar. 

Sim, eu sei que a situação que se configura é ter que escolher entre ele e a esquerda. E tem gente que não suporta a esquerda. Mas não acho que isso justifique o apoio a ele. Nada justifica. E não é só essa a questão: o que vejo são pessoas exaltando esse sujeito! Como se fosse um exemplo de bom cidadão. 

Não dá pra entender. Não dá mesmo. Não enxergam a perversidade que ele próprio faz questão de escancarar? Ou se identificam secretamente com ela?

Encaro a democracia como um avião que foi avariado, mas segue voando. E pretende aterrissar são e salvo ao final destas eleições. Não, não consigo esquecer o impeachment sem crime e a condenação sem provas, ambos articulados pelos setores influentes com conivência das partes relevantes. Mas ainda temos o voto.

Acho bonito o discurso de não desfazer amizades por causa de política. O problema é que, em alguns casos, não há como continuar enxergando os amigos com os mesmos olhos. Primeiro, movimentam-se para jogar meu voto no lixo, num total desrespeito à eleição e ao processo democrático. Depois, comemoram em tom de deboche. Por fim, declaram seu apoio a um fascista. O que resta para se admirar?

Em meio a tantos desapontamentos e crises, eu mantenho a esperança. Vamos votar. Mas "nele", não. "Nele", nunca.