quinta-feira, abril 19, 2018

Via-RS se despedindo

Hoje recebi uma notícia que me deixou triste e que vai me dar incomodação por um bom tempo: o Via-RS (Procergs), meu provedor de e-mail há mais de 20 anos, vai encerrar suas atividades. Isso significa que terei não só que atualizar meu endereço de e-mail em diversos sites de compras, como a minha própria identificação de usuário em alguns endereços precisará ser alterada. Tentarei substituir pelo Gmail, que utilizo alternativamente desde 2004. Se eu conseguir manter o mesmo perfil com outro e-mail como User ID (no Facebook, por exemplo), menos mau.

Lembro bem de um dia em 1996 em que eu e um colega de trabalho, logo após o expediente, fomos ao Shopping Praia de Belas, em Porto Alegre, para aproveitar uma promoção em um quiosque do Via-RS. Havia uma previsão da Mãe Dinah de que o prédio desabaria naquela data, de forma que ficamos lá dentro apenas tempo suficiente para adquirir os respectivos pacotes. Pelo sim, pelo não...

O conceito original do Via-RS era o de ser uma suíte de serviços diversificados, um dos quais era o correio eletrônico. A tela principal mostrava o desenho de uma cidade com ícones interativos espalhados na imagem. Inclusive a orientação para envio de e-mail era de que se colocasse um código no começo da mensagem dentro do campo específico da interface principal. Só depois fui descobrir que existia uma forma de se contornar essa etapa usando um endereço de e-mail com "pro" no meio. Muitas mensagens enviadas diretamentes de sites (via comando mailto) chegaram com esse e-mail no campo de remetente e só consegui ler as respostas quando descobri essa outra forma de comunicação.

A Internet mudou minha vida. Foi como um "sexto sentido" na acepção literal da expressão. De repente passei a "enxergar" um mundo que sempre existiu, mas era invisível para mim. Imediatamente fiz contato com fãs de David Bowie de vários países. Eu tinha a vantagem de ser fluente em inglês, então logo me integrei a comunidades virtuais formadas por interesses e não por proximidade geográfica. Muitas vezes fui acusado de ser "viciado em Internet" por pessoas que passavam todas as noites assistindo passivamente à programação da Globo. Hoje elas continuam fazendo isso ao mesmo tempo em que se conectam à rede, graças aos smart phones, novidade que não me faz falta. Também rejeitei o Twitter, Whatsapp e outros modismos totalmente dispensáveis na minha opinião. O Second Life também não me atraiu, mas quem sabe depois da morte?

Ultimamente o Via-RS, que já foi verdadeiramente um provedor de Internet, me atendia somente na parte de e-mails. Mesmo assim, vai ser complicado abrir mão de um endereço que usei por mais de duas décadas. É uma espécie de "Bug do Milênio" em menor escala, correndo o risco de desativar vários cadastros meus ao mesmo tempo. Claro que vou tentar evitar que isso aconteça. Mas o Via-RS funcionou bem enquanto durou. Vou sentir falta do Webmail, por exemplo. Mais um capítulo se encerra.

domingo, abril 15, 2018

A questão do voto nulo

Eu queria guardar este assunto para mais perto da eleição, mas não vai dar. É uma polêmica que está bombando no Facebook e que até já citei aqui de passagem, mas agora vou abordá-la com mais profundidade.

De repente, a campanha contra o voto nulo tornou-se uma bandeira que os dois lados empunham nas redes sociais. E o discurso é sempre o mesmo: não podemos nos omitir, quem anula o voto não pode reclamar depois, blá blá blá.

Pois é. Mas como fazer, em especial num segundo turno, quando existe igual rejeição a todos os candidatos? Em tese, o voto é a mera formalização da preferência do eleitor. Se ele não prefere nenhum, qual a lógica de obrigá-lo a favorecer um ou outro? Em outras palavras, a "mentir" para a urna que aprova um dos concorrentes? Nesses casos, anular o voto é até uma atitude de respeito com os eleitores que têm candidato. Assim, o fiel da balança não será alterado por escolhas meramente aleatórias

Depois de ler diversas mensagens a respeito, entendi melhor a situação. Na fantasia dos que defendem essa causa, cada eleitor que anula o voto está deixando de votar no candidato deles. Ou seja, quando alguém diz "não anule o voto", na verdade está querendo dizer: "vote no meu candidato". Mas não é assim que funciona na prática. O indivíduo pressionado a fazer uma escolha pode acabar beneficiando qualquer dos lados. Não vai muito longe: quem garante que Lula e Dilma não receberam um contingente significativo de votos sem muita convicção? De gente que votou neles cedendo à pressão para não se omitir? Sinto-me à vontade para fazer essa observação porque ambos tiveram meu voto consciente.

Outra constatação curiosa é de que a esquerda pensa que os votos nulos favorecem a direita e vice-versa. Cada lado atribui a eleição de um candidato indesejado aos votos nulos. Gente, por favor: voto nulo não favorece ninguém! É até uma questão de lógica. Os votos que fazem a diferença são os válidos! Se querem prevenir o desperdício de votos, sejam honestos e coerentes: façam campanha para o candidato de vocês! Assumam sua verdadeira intenção e peçam votos a ele! Isso, sim, faz sentido. Obrigar o eleitor a escolher qualquer um só para não se abster é como querer que alguém case na marra, sem ter achado a pessoa certa, apenas para preservar a tradição familiar.

Por fim, duas questões. Primeira: vale para o eleitor que anula o voto a mesma regra daquele que é voto vencido, ou seja, respeitar o resultado da eleição. Não tumultuar a ordem democrática com o objetivo de prejudicar o candidato legitimamente eleito. Ninguém pode se eximir com aquela velha desculpa de que "não tenho nada com isso, não votei nele". Segunda: todo cidadão tem direito de exigir o melhor dos políticos eleitos, mesmo que tenha anulado o voto. Afinal, eles são representantes e governantes de todos e não apenas de seus eleitores.

domingo, abril 08, 2018

Como foi a sessão de autógrafos

A sessão de autógrafos do livro "DEZmiolados Volume 2" estava marcada para ontem, às 17 horas, na cafeteria Mr. Pickwick do Shopping Nova Olaria, em Porto Alegre. Mas a movimentação começou mesmo às 17 e 20. A partir daí, eu e os demais nove autores ficamos autografando sem parar por mais de uma hora.
Depois o movimento diminuiu um pouco, mas logo aparecia alguém para nos manter ocupados.
Aqui, uma foto posada. Não sei o nome da moça, mas a partir dela, da esquerda para a direita: Gilnei Lima (co-autor), Flávio Dutra (pegando os autógrafos), eu, Anderson Cerva (co-autor, de pé) e João Carlos Machado Filho (co-autor).
Meus irmãos compareceram para me prestigiar: Neca (Beatriz), eu e Júlio César. Minha irmã levou exemplares também para os filhos, de forma que meus sobrinhos Rodrigo, Rafael, Ricardo e Renata estavam representados.
Aí estou eu com amigos: Linda, Guiomar e Antônio.
Outro que apareceu por lá foi o colega blogueiro José Elesbán (também conhecido como zealfredo). Ele já fez vários blogs, mas o atual se chama "Novas voltas em torno do umbigo".
 Autografando para meus irmãos.

Dá pra notar que é selfie?
Até aqui, as fotos em que eu apareço autografando foram tiradas por Linda Rossini com seu celular. As outras são da minha máquina, com uma pequena ajuda de amigos que estavam por perto. Exceto pela imagem em que estou com José Elesbán, que foi da máquina dele. As fotos abaixo também foram tiradas e gentilmente cedidas por ele.
Paulo Motta e Pedro Marcon Neto.
Ricardo Azeredo, Marne Rodrigues, Luciano Riquez e Pedro Marcon Neto.
João Carlos Machado Filho, Anderson Cerva e Milton Gerson.


Sobraram alguns exemplares do livro. Se alguém quiser, o preço unitário é 30 reais, mais despesas de correio para quem não puder vir pegar comigo. Mas aí vai ter somente o meu autógrafo (se quiser, claro). "DEZmiolados Volume 2" é uma coletânea com 40 crônicas (quatro para cada autor) nos mais diversos estilos. O editor Auber Lopes de Almeida já avisou que, no ano que vem, sai o Volume 3.

sábado, abril 07, 2018

"No estoy tranquilo mi amor, hoy es sábado a la noche..."

Amanhã faço uma postagem sobre a sessão de autógrafos de "DEZmiolados Volume 2". Por hoje, deixo vocês com esta música do argentino Charly Garcia.

sexta-feira, abril 06, 2018

Sessão de autógrafos de "DEZmiolados Vol. 2"

Sei que hoje é um dia difícil de se pensar em amenidades. Mesmo assim, quero lembrar que a sessão de autógrafos de "DEZmiolados Volume 2" será amanhã, sábado, dia 7, das 17 às 21 horas no Mr. Pickwick, no Shopping Nova Olaria. Espero todos lá. 

quarta-feira, abril 04, 2018

Rafael Brasil ao vivo

Estive hoje no Sgt. Pepper's para assistir ao show de Rafael Brasil. Ele está lançando o seu quarto CD (descontado um single) e primeiro DVD, ambos com o autoexplicativo título de "Canto canções de amor..." De fato, é isso que ele faz e muito bem, com composições próprias e ótima voz. É um talento gaúcho que mereceria projeção nacional, com certeza.  
Rafael Brasil foi acompanhado por Ciro Moreau na guitarra e vocal, Meco Dutra no baixo e vocal e Márcio Bandeira na bateria e percussão. Houve também a participação especial de dois cantores, a saber:
Eduardo Pitta e...
...Anaadi. O público só não foi maior porque, como disse o próprio Rafael, ele teve que concorrer com o jogo do Grêmio. Ao que uma pessoa na plateia completou: "E o STF". Houve também um momento de "Parabéns a você" do público para a esposa do músico, que estava de aniversário. Saí de lá com os dois lançamentos recentes, que pretendo conferir com carinho nos próximos dias (ver foto abaixo). Lembrando que Rafael Brasil foi o cantor convidado que interpretou "Elektranight", minha parceria com Rogério Ratner, no CD deste, "Canções para leitores" (vejam aqui). 

sábado, março 31, 2018

Feliz Páscoa!

Que Cristo renasça em nossos corações nesta Páscoa. Estamos vivendo momentos complicados, mas não devemos perder a fé. Em todos os sentidos.