segunda-feira, agosto 22, 2016

Encontro marcado com um supergrupo

Shows com mais de um artista são relativamente comuns, mas não com todos o tempo inteiro no palco. Geralmente acontece um rodízio e apenas em algumas músicas é que as diferentes formações se unem. Pois o "Encontro Marcado" de Sá & Guarabyra, 14 Bis e Flávio Venturini, sábado à noite no Araújo Vianna, foi mesmo o espetáculo de um supergrupo. Somente em "Nascente", de Flávio Venturini, é que o tecladista Vermelho saiu de cena. Em todas as outras, lá estavam, da esquerda para a direita, Guarabyra, Cláudio Venturini, Vermelho, Hely Rodrigues, Flávio Venturini, Sérgio Magrão e Sá. Flávio ganha um crédito à parte no anúncio por estar há bastante tempo em carreira solo, mas no momento em que se reúne aos ex-colegas do 14 Bis, volta a ser um deles. E Sá e Guarabyra tiveram Sérgio Magrão e Flávio Venturini em sua banda de apoio na época do primeiro LP como dupla, Nunca, de 1974.
Graças a essa mágica combinação de talentos, o público pôde ouvir algumas parcerias pela primeira vez com os autores todos juntos: "Criaturas da Noite" (Flávio Venturini e Sá), "Caçador de Mim" (Sérgio Magrão e Sá) e "Espanhola" (Flávio Venturini e Guarabyra). Sobre essa última, Guarabyra narra como compôs a letra completamente bêbado na casa de Flávio e, no outro dia, nem lembrava. (Num grupo de discussão do Yahoo ele contou que nem ele conseguia saber ao certo se estava dizendo amar a espanhola de verdade ou só para não vê-la chorar!) Flávio Venturini interpretou "Nascente" e "Noites com Sol", de sua carreira solo. Do 14 Bis foram executadas, entre outras, "Uma Velha Canção Rock and Roll", "Nova Manhã", "Natural", "Planeta Sonho" e "Linda Juventude". Da dupla Sá & Guarabyra os destaques foram "Primeira Canção da Estrada/O Pó da Estrada", "Me Faça um Favor", "Dona" e "Sobradinho". Sá disse que "Pássaro" foi gravada primeiro pelo Terço, mas errou: saiu antes com Guarabyra em carreira-solo, no lado B do compacto "Só Tem Amor Quem Tem Amor Pra Dar" (o jingle da Pepsi). Houve também uma homenagem a Zé Rodrix com "Jesus Numa Moto/Mestre Jonas".
Como já estava habituado a fazer nos shows com Guarabyra, Sá foi o mestre de cerimônias a maior parte do tempo. Do time do 14 Bis, quem mais falou foi Cláudio Venturini. Ao final da apresentação, estava à venda o CD duplo com o mesmíssimo repertório. Aproveitei para comprar. Daqui a um mês sai o DVD. Havia uma longa fila para autógrafos, mas Guarabyra, Vermelho e Hely não compareceram (segundo me confirmou Rogério Ratner). Também não fiquei para pegar as assinaturas e acabei vendo Vermelho saindo de carona num carro, no estacionamento onde eu havia deixado o meu. Na chegada ao Araújo Vianna, tinha havido um contratempo: o trecho da Oswaldo Aranha antes do auditório estava sem luz. Mas esse estacionamento, especificamente, usava gerador. Na saída, felizmente, tudo se normalizara.
-*- 
Depois do show, um rapaz desconhecido para mim me reconheceu e disse que lê este Blog. Aproveitou para recomendá-lo ao amigo que estava com ele. Além do já citado Rogério Ratner, encontrei ainda Paulo Pruss e sua esposa. Todos, inclusive o leitor desconhecido, sabiam de minha aposentadoria e disseram que agora vou poder escrever mais. Tem gente me cobrando livro. Fico feliz, mas vamos com calma. Na hora certa, os projetos acontecerão. Agradeço o estímulo.

1 Comments:

Blogger José Elesbán said...

Belos registros, Emilio. Desse e do Renato (só li agora).
Espero que a aposentadoria esteja sendo proveitosa, como parece que está.
Abraço.

10:52 PM  

Postar um comentário

Links to this post:

Criar um link

<< Home