sexta-feira, maio 11, 2012

Há 35 anos, Genesis em Porto Alegre

 
 Ontem e hoje faz 35 anos que o Genesis se apresentou em Porto Alegre, em 1977, abrindo a turnê brasileira. Eu fui na primeira noite. Ainda não conhecia muito do trabalho do grupo. Talvez só o álbum Selling England By The Pound. Eu e um colega ficamos atrás do palco, na arquibancada do Gigantinho, mas felizmente a disposição dos equipamentos não bloqueava nossa visão. Conseguimos enxergar Phil Collins, Steve Hackett, Mike Rutheford, Tony Banks e o baterista convidado Chester Thompson, mesmo de costas.
 
O show começou bem na hora marcada, às 21 horas. Meu amigo comentou que eles eram ingleses, daí a pontualidade britânica, depois Osvil Lopes fez a mesma observação na Folha da Tarde. O aguardado visual do raio laser marcou presença logo na segunda música, que hoje sei ter sido "One for The Vine". Quando Steve Hackett anunciou "Firth of Fifth" eu comentei com meu colega: "Essa eu conheço, começa com um pianinho." Para meu constrangimento, eles pularam a introdução e iniciaram direto no acorde que antecede o vocal. Meu amigo só riu: "Começa com um pianinho, é?" Depois fiz questão de mostrar pra ele a gravação de estúdio.

A mais esperada era "I Know What I Like", que foi muito bem recebida. Também se ouviram outros clássicos como "The Carpet Crawler", "Supper's Ready" e o final de "The Musical Box". Phil anunciou "uma música nôva para vocês" (ele falou quase tudo em português, lendo em uma folha) e cantou "Inside and Out", que sairia no compacto duplo Spot the Pigeon. Na hora do bis, a banda ressurgiu vestindo camisetas do Internacional, mas teve que aguentar a vaia dos gremistas presentes.

Não assisti ao show do dia seguinte, mas ouvi as mais diversas versões sobre o que aconteceu. Com certeza a duração foi mais curta porque Mike Rutherford sentiu-se mal, mas quanto tempo exatamente? Alguns diziam que teria sido só meia-hora, outros falavam em uma hora. Pois hoje, 35 anos depois, o blog argentino Polichelas desvenda o mistério (não deixem de visitá-lo para conferir as fotos). Um contingente significativo de fãs veio a Porto Alegre de Buenos Aires especialmente para ver o Genesis, entre eles jornalistas da revista Roll e o músico Charly Garcia. Um dos portenhos gravou o show com microfone mesmo e o preservou por todos esses anos. Graças a esse registro, hoje podemos saber que, quem foi na segunda noite, teve uma hora e 15 minutos de show, aproximadamente. Cerca de uma hora a menos do que deveria (e não apenas 12 minutos como noticiou a Folha da Tarde), mas pelo menos já foi uma apresentação razoável. O verdadeiro motivo do mal súbito do baixista foi revelado no livro "Lembra do Transasom", de Pedro Sirotsky e Marcelo Ferla, lançado em 2007: à tarde o grupo tinha viajado a Gramado com Pedrinho e alguém teve a brilhante ideia de misturar vodka no chocolate quente. Deu no que deu. 

Para baixar a gravação da segunda noite (mais curta) do Genesis em Porto Alegre, cliquem aqui. Observem que Phil chega a anunciar com detalhes a apresentação de "Supper's Ready", depois um locutor avisa que Mike Rutherford está sendo atendido pelo médico e por fim eles tocam "Los Endos". Ainda que tenha sido captada das cadeiras na plateia, a fita tem um valor documental inestimável. Até mesmo a voz dos vendedores de "Coca gelada", etc., dá um toque de autenticidade, como "estar lá".

6 Comments:

Blogger Cris Carriconde said...

e no meu caso: eu estava lá! Como adorei você ter achado essa gravação!

10:15 PM  
Blogger denise said...

Super show, não lembrava de tantos detalhes, gostei de ler teu artigo. Não consegui encontrar o blog do argentino

12:03 AM  
Blogger Emilio Pacheco said...

Incrível, o link está direcionando para outro endereço bem diferente! Já tentei acessar diretamente e o resultado foi o mesmo. Às vezes os blogs são encerrados, mas esse redirecionamento não faz sentido. Estranho.

7:19 AM  
Anonymous Isa Kobetz said...

Estive neste show! :) <3
Foi o primeiro "showzão" internacional da minha vida...tinha 15 anos e fiquei completamente apaixonada pelo som (já conhecia dos discos do meu irmão) e pelo laser que iluminou de forma fantástica para época, todas aquelas canções maravilhosas!!!
Muito bom ler teu artigo e viajar no tempo!
1977 - Era inverno e fazia um friozinho lá fora, dentro do ginásio, o calor aquecia o público...até hoje quando ponho prá tocar aquelas músicas, fecho os olhos e me vejo naquele dia!Muito dez!
Depois deste, fui a shows muito bons tb...mas durante todos estes anos, 3 shows me marcaram demais : Crosby, Stills and Nash (que fui para o Rio assistir), David Gilmour (este ano, 08/2016, na Arena)..e este primeiro e inesquecível show do Genesis...
"Música e fotografia te fazem viajar no tempo em segundos e te transportam naturalmente para lugares mágicos da vida da gente!"
Que bom poder ouvir, que bom poder enxergar, que bom ter ido neste show, que bom ter lido este teu texto e deixar aqui registrado meu
comentário....Abraço!
Porto Alegre, 27/01/2016.

11:50 PM  
Anonymous Isa Kolbetz said...

Retificando meu comentário anterior sobre shows maravilhosos que já assisti, além deste do Genesis...
Show do Gilmour...16/11/2016 :)

12:20 AM  
Anonymous Regis Steigleder said...

Eu também estava lá!
Até hoje uma lembrança muito forte.
Agora mesmo escuto "I now what I like" no vinil álbum duplo "Seconds Out" gravado ao vivo em Paris em 1977 que comprei em 87 pra matar as saudades. É basicamente o mesmo show de POA.
Phil Collins enlouquecendo com o pandeiro nessa faixa!!!!
Sempre me remete ao gigantinho.
Que coisa memorável! E eu completando 20 anos de idade no mes subsequente!

5:27 PM  

Postar um comentário

Links to this post:

Criar um link

<< Home