quinta-feira, fevereiro 17, 2011

Sérgio Jockymann (1930-2011)

Eu tinha 2 anos quando minha família se mudou para o Edifício Marechal Trompowsky, às margens do Guaíba. Um de nossos primeiros vizinhos no prédio recém-inaugurado foi Sérgio Jockyman. Ele não ficou muito tempo, de forma que minhas recordações dele morando lá são um tanto nebulosas. Lembro dele no elevador, lembro do filho dele, André, visitando meus irmãos, e lembro também da esposa dele, Simone, com quem hoje tenho contato pela Internet.

Sérgio Jockymann, a exemplo de Cid Pinheiro Cabral, foi um dos primeiros jornalistas gaúchos a assumir publicamente sua paixão clubística: era colorado doente. Quando o Inter foi Campeão Brasileiro pela primeira vez, em 1975, ele não disse uma palavra durante o seu espaço no Jornal do Almoço. Apenas deixou rodando a sua cortina ("Rossana", da trilha do filme "Sete Homens de Ouro" - ver segundo vídeo abaixo) e ficou sorrindo e gesticulando. Foi também teatrólogo e roteirista para a televisão, em especial para a rede Tupi. Alguém deveria escrever sua biografia e contar as muitas histórias curiosas que ele vivenciou. Como, por exemplo, quando aproveitou o aviso prévio que Antônio Fagundes teria que cumprir para gravar todas as suas cenas da novela "O Machão" antes da saída do ator para a Globo.

Assisti algumas vezes ao "
Meio-Dia", programa que Jockymann ancorou em 1977 na TV Piratini (da Rede Tupi), o qual rivalizava com o Jornal do Almoço (da TV Gaúcha, hoje RBS TV) e o Portovisão (da TV Difusora, hoje Band TV Porto Alegre). Outra passagem marcante para mim foi quando Jockymann lançou o seu semanário, o RS, na segunda metade dos anos 80. Eu gostava daquele jornal. Na cobertura do caso Daudt, foi praticamente o único veículo a defender o acusado, que veio a ser absolvido no processo. Jockymann ainda estava com o RS quando se candidatou a Prefeito de Porto Alegre em 1988 pelo Partido Liberal (ver primeiro vídeo abaixo). Enquanto as pesquisas apontavam Antônio Britto como provável vencedor, o semanário duvidava. E estava certo: Jockymann não se elegeu, mas quem chegou lá foi Olívio Dutra.

Para a geração Internet, Jockymann é mais conhecido como o verdadeiro autor de "Os Votos", crônica que ele publicou na Folha da Tarde de 30 de dezembro de 1978, mas circula como sendo de Victor Hugo (com algumas alterações e o título de "Desejo"), tendo sido adaptada na letra de "Amor Pra Recomeçar", de Frejat. Mesmo depois de este Blog ter reproduzido a página em que aconteceu a publicação (ver link ao final deste tópico), alguns teimosos ainda relutam em aceitar que o texto é realmente dele.

O lançamento em DVD do filme "Dias e Noites", adaptado de seu livro "Clô, Dias e Noites", inclui um depoimento dele. Mas eu tenho um vídeo de meu acervo para mostrar: um trecho da campanha política de 1988. Não está completo, infelizmente. Mas Jockymann não tinha muito tempo, de qualquer forma, e ainda preenchia os segundos iniciais de seu espaço executando o seu "tema" (citado acima) de um pequeno gravador. O que ele diz no começo, que mal se ouve, é que ele era candidato do Partido Liberal "a um milagre".  

E aqui está o "tema do Jockymann", graças à dica de Cláudio Muraro: 

 

Sérgio Jockymann faleceu ontem, em Campinas, de insuficiência renal. Muita força à amiga Simone e a toda sua família.

Leia também o tópico sobre o texto erradamente atribuído a Victor Hugo clicando aqui.

5 Comments:

Anonymous Anônimo said...

E no comentário que ele fazia na Rádio Guaiba, ao meio dia, sempre terminava dizendo:"pense nisto, enquanto eu lhes digo até amanhã".
Abraços.
Luiz Carlos Lasek

3:43 PM  
Anonymous Anônimo said...

Olá, achei esta versão que se não me engano era o Jockymann:

http://www.filestube.com/fiHr5w9tb84ulhlTvlc4kF/I-Cantori-Moderni-Rossana-7-Homens-De-Ouro.html

Jorge Ricardi

10:00 PM  
Blogger Emilio Pacheco said...

Valeu, Jorge, já substituí. A lembrança que eu tenho é que essa gravação que você achou não é EXATAMENTE a mesma que o Jockymann usava. Se não me engano o disco com a trilha sonora tem três versões de "Rossana". Que eu lembre, a gravação do Jockymann não tinha esse órgão, mas o andamento e o assobio são exatamente iguais. Obrigado!

10:09 PM  
Anonymous Cláudio José Lemos Muraro said...

Cláudio Muraro agradece...
A você Emílio Pacheco e ao comentário de Luiz Carlos Lasek
Porque vocês me fizeram um grande favor em resgatar uma das mais saudosas lembranças de minha meninice em Porto Alegre. Eu nunca conheci pessoalmente o Sérgio, mas sempre ouvia falar muito bem dele pelo meu pai, que fora colega de trabalho dele no antigo jornal Última Hora. E sempre ouvia com muito prazer os comentários que ele fazia em seu programo diário, ao meio dia, na rádio Guaíba. Eu precisava voltar de táxi de minha escola no Bonfim para nossa casa no centro, e TODOS os taxistas que eu pegava estavam sempre sintonizados na Guaíba naquela hora. Quando eu ouvia aquele tema musical inconfundível, parava de conversar para ouvir o SJ, e o Lasek me fez recordar da habitual despedida do Jockymann de todo dia. Era sempre prazeroso ouvir os pensamentos daquele comunicador brilhante, e porque não dizer, sábio. Se Flávio Alcaraz Gomes e Clóvis Duarte são hoje lembrados como gigantes da comunicação do RS, o que se poderia dizer de Sérgio Jockymann?
Agradeço muito, porque graças ao blog, que eu descobri ontem, dia 31 de outubro, consegui encontrar as informaçõs para localçiza no YOU TUBE o EXATO tema musical do programa do Jockymann, que eu me lembro muito bem e estava procurando há muitos anos, e que graças a vocês agora eu curto constantemente. Em retribuição (pequena) compartilho com vocês a URL abaixo:
http://youtu.be/SkhO8HgIsUU - Muito obrigado e um grande abraço de outro gaúcho saudosista!

10:04 PM  
Blogger Emilio Pacheco said...

Cláudio, valeu a dica, já atualizei a postagem com o SEU vídeo!

10:27 PM  

Postar um comentário

Links to this post:

Criar um link

<< Home