domingo, agosto 01, 2010

Pano de fundo de uma vida

Este quadro, de autoria de um certo Catramby, cobria a parede da sala do apartamento onde morei dos dois aos 26 anos, no centro de Porto Alegre. Observem que ele tem um erro anatômico. Alguns amigos meus, quando iam lá em casa para alguma festa ou somente visitar, olhavam longamente para a pintura, intrigados com as três mulheres. Esta imagem serviu de pano de fundo para diversas fotos que tiramos ao longo dos anos. Quando minha mãe faleceu em 1989 e o apartamento foi desocupado, quem ficou com a obra foi minha prima Flávia, que hoje mora em Santa Maria. Estivemos lá no dia 24 para a festa de 80 anos do Tio Ivar e aproveitamos para registrar esta imagem que tanto significado tem para a nossa família. Quanto ao aniversário do nosso "Super Tio", como o chamamos na placa com que o presenteamos, estou aguardando que minhas primas mandem mais fotos para divulgar.

7 Comments:

Blogger Caco said...

Engraçado como uma imagem é capaz de despertar tantas lembranças. Não fazia idéia do paradeiro deste quadro.

11:12 AM  
Blogger Emilio Pacheco said...

Exatamente para aqueles que conheceram o quadro e sabem o quanto ele foi marcante é que eu postei esta foto. Afinal, descontando aqueles que digitam qualquer coisa no Google e acabam chegando aqui, quem mais lê este Blog são os parentes e amigos.

8:44 AM  
Anonymous Anônimo said...

Somente agora vi a foto que publicaste. No inicio da TV Gaúcha, lá por 1962, a equipe que tocava a TV veio tôda do Rio De Janeiro, suites, câmeras, assistentes, iluminadores etc. Êste pessoal ficou por aqui durante uns seis mêses, treinou e equipe local e foi embora. Um dêles, Denilson Catramby, era o cenógrafo do pessoal trazido do Rio pelo Cambises Martins (depois fundador da TV Globo). O "Catramba" tinha uma prima que era Juiza do Trabalho no Rio,por esta razão e por tocar violão se aproximou da nossa familia no período em que nos mudavamos da Riachuelo para o GBOEx e presenteou o Pai e a Mãe com êste quadro que ali ficou até que o apartamento fôsse fechado. Não sei se notaram a técnica utilizada foi mais incrível ainda. A pintura foi tôda feita com batidas do pincel na tela trabalho que acompanhei no Setor de Cenografia da TV Gaúcha. Foi transportado num caminhão pois não havia na emissôra um veículo que pudesse transporta-lo com segurança.Como se verifica o quadro tem 48 anos. Não tenho mais noticias do Catramby desde fins de 80 quando êle estava se dedicando a cinema no Rio de Janeiro. Tinha, se não me engano, uns cinco anos mais do que eu. Portanto.... J.Cesar.

6:01 PM  
Blogger Emilio Pacheco said...

O pai e a mãe diziam que este quadro saiu mais caro do que eles pensavam. Não lembra por quê? Eu lembro.

6:08 PM  
Anonymous Anônimo said...

Sim, o pai foi fiador do aluguel do apartamento dêle se não me engano.

8:09 PM  
Anonymous Anônimo said...

Olá, achei o blog pelo google, filtrando o nome de meu pai, Denilson Catramby. Muito interessante essa história. Caso queira contato com ele: cenatorio@ig.com.br

Bruno Catramby

11:43 AM  
Anonymous Felipe Prates said...

Boa noite, encontrei este blog digitando o nome do meu querido Tio/Avô no google,com muito pesar, informo que ele veio a falecer ano passado, mas que essa história já me foi contada algumas vezes e ele adorava essa pintura.

6:17 PM  

Postar um comentário

Links to this post:

Criar um link

<< Home