domingo, maio 06, 2018

Para relembrar os Stylistics

Já comentei diversas vezes que adoro a série "Classic Albums", que relança cinco LPs de uma tacada só em CD com reprodução miniaturizada das capas originais em papelão (comumente chamadas de "mini-LPs"). Graças à dica de meu amigo Zeca Azevedo, tomei conhecimento de que o grupo vocal americano Stylistics teve parte de sua obra resgatada nessa coleção. Os relançamentos se baseiam nas versões inglesas, de modo que Round 2 aparece como Stylistics 2 e Heavy consta com o título From the Mountain, incluindo as fachadas respectivas, diferentes das edições americanas. É uma pena que tenham deixado de fora o terceiro disco, Rockin'Roll Baby, que inclui a clássica "You Make Me Feel Brand New". Já que a obra não caberia toda nessa caixinha, mesmo, teria sido melhor manter os cinco primeiros álbuns em ordem cronológica e deixar de fora o sexto, Thank You Baby.

Os Stylistics surgiram no começo dos anos 70, como parte do chamado "Som da Filadélfia". A fórmula do grupo era a mesma de outras formações da época, como Spinners: cinco cantores negros, com dois vocalistas solo, um de voz grave, outro com timbre bem agudo, alcançando as notas mais altas. O forte do repertório eram as baladas, seguindo a receita dos Delfonics. Sob a batuta do genial produtor Thom Bell, os Stylistics lançaram seu primeiro LP em 1971, basicamente com composições de Bell em parceria com Linda Creed. O tenor de Russel Thompkins Jr. levava muitos a supor que fosse uma mulher cantando. A partir dos discos seguintes. a voz grave de Airrion Love conquistou seu espaço, de forma que o conjunto passou a ter dois cantores principais.  

Aqui no Brasil, a obra dos Stylistics ganhou uma força das trilhas sonoras de novelas. Os LPs "internacionais" tocavam nas "reuniões dançantes" dos anos 70 e os adolescentes dançavam abraçadinhos ao som de "Betcha By Golly, Wow" ("Supermanoela"), "Let's Put it All Together" ("Corrida do Ouro"), "The Miracle" ("Cuca Legal") e "We Can Make It Happen" ("O Espigão"). Esta última talvez tenha sido sucesso somente no Brasil, já que fugia do padrão das "músicas de trabalho" do grupo, com solo exclusivamente da voz grave de Airrion Love. E isso permitiu que o ator Carlos Eduardo Dolabella gravasse sua própria versão do tema do seu personagem, com voz correta e boa pronúncia de inglês (vejam aqui).

Logo os Stylistics trocaram de arranjador, passando às mãos do competente Van McCoy, com produção e composições da dupla Hugo & Luigi. Em 1974, surgiu um grupo para rivalizar com eles no quesito baladas românticas: Blue Magic. E assim a década de 70 seguiu ao som de canções maravilhosas, criadas com instrumentos de verdade, sem sintetizadores. Os Stylistics ainda existem, pelo que acabei de pesquisar na Wikipedia, mas apenas com Airrion Love (o "vozeirão") e Herb Murrel da formação original.