sexta-feira, fevereiro 26, 2010

As ruas de Pelotas

Em 1972, na 5ª série, tive uma professora de Português – aliás, "Língua Nacional", que era o nome da disciplina no primeiro ano da Reforma do Ensino – que sentia um orgulho imenso de sua cidade natal. Era a Dona Constança. Acho que não havia uma só aula com ela em que não ouvíamos falar de Pelotas. O assunto podia ser pronomes, verbos, objetos diretos e/ou indiretos, que invariavelmente entrava Pelotas no meio.

Certa vez ela pediu que escrevêssemos sobre a localidade onde havíamos nascido, abrangendo vários itens. Um deles era se a cidade em questão era bem traçada. Uma colega que vinha de São Paulo comentou em voz alta que iria responder "sim" a essa pergunta. A professora contestou na hora. São Paulo não é bem traçada, imagina! Nem Porto Alegre é, que dirá a capital paulista. Cidade bem traçada é Pelotas! Aí ela falou uma frase que eu nunca esqueci: "Em Pelotas a gente olha para uma rua e enxerga o fim!"


Eu já tinha estado em Pelotas rapidamente no ano anterior, mas não observei essa característica. Voltei lá em 1974 e desta vez resolvi conferir. Espichei o olho em uma das ruas e, dito e feito, enxerguei o final. Não é possível! Dona Constança não exagerou! Guardei mais essa recordação por todos esses anos, mas prometi a mim mesmo que, se voltasse a Pelotas, faria mais uma verificação.

Pois no sábado passado, mais uma vez, pus-me a conferir o prumo das ruas de Pelotas. E constatei que elas não empenaram nem um milímetro. Continuam tão retas quanto em 1974. Quando estávamos para ir embora, pedimos orientação de como chegar à saída para a estrada. Disseram-nos que deveríamos pegar a mesma rua do nosso hotel e ir em frente "até o fim". Foi o que fizemos. Seguimos por várias quadras em linha reta. Quando terminou a rua, terminou Pelotas. Dona Constança tinha razão. É por isso que a letra de "Pelotas", de Kleiton e Kledir, diz: "O meu amor não tem fim / como uma rua infinita".

A propósito, Dona Constança não nos deu aula o ano todo. Foi substituída ainda no primeiro semestre. Mas devia estar bem de saúde, pois muitos anos depois eu a avistei na tradicional banca de revistas Vera Cruz, da Rua da Praia. Ouvi quando ela se aproximou e perguntou: "Já chegaram os jornais de Pelotas?" Continuava a mesma.

2 Comments:

Anonymous Armando said...

Linda história. São quase sempre encantadoras e comoventes essas reminiscências de escola, e dos nossos antigos professores.

Pelotas é, de fato, uma cidade muito charmosa. Alguém já disse que as cidades são como as mulheres: a medida que as vamos conhecendo, vamos (re)descobrindo seus encantos.

12:25 PM  
Anonymous Deco Rodrigues said...

Olá Emilio, sou o Deco do www.ecult.com.br e divulgamos a cultura em Pelotas. Eventualmente publicamos textos com referencia a Pelotas e tomei a liberdade de publicar esta postagem, divulgando junto o teu blog.

Espero nÃo tenha problema, e seja bem vindo, fico a disposição.

Deco Rodrigues
deco@ecult.com.br
MSN websac@hotmail.com

4:16 PM  

Postar um comentário

Links to this post:

Criar um link

<< Home